sábado, 17 de maio de 2014

Água Que Guia uma Águia


Água Que Guia uma Águia
(27/9/10)

Vejo rebento rapina,
Que em ondas e ventos chegou;
Fez do mais velho, menino,
E a discórdia enterrou.

Nasceu do amor impregnado,
Uma busca que nunca teve fim;
Chuva e semente, cultivado,
Verde, forte, capim.

Cresce e se alastra com brilho,
Bate suas asas de Pégaso;
Voa por entre palácios,
Desperta nas nuvens seu filho.

Aurora de paz, sentinela,
Seus olhos fitam o amor;
Orquestra um grito de guerra
Na companhia de um condor.

Vejo de baixo incrível beleza,
Derramo sem piedade meu pranto...
Sem jeito, mas com sutileza,
Viro, caminho e canto.


André Anlub®

Um comentário:

  1. Um poema diferente e que me encantou.
    Beijo amigo e uma semana feliz.
    Graça

    ResponderExcluir